Quem nos ajuda a tornar tudo isso possível

Funcionária e ex-paciente do GAC-PE, Fátima Virgínia está há 11 anos fora de tratamento


Funcionária e ex-paciente do GAC-PE, Fátima Virgínia está há 11 anos fora de tratamento

25/07/2011

Aos 17 anos, Fátima Virgínia viu sua vida mudar, sentindo os primeiros sintomas de que algo não ia bem, logo procurou ajuda médica. Foi no Pavilhão Júlio de Melo (HUOC) que ela ficou internada por um período de três meses tentando descobrir a causa dos mal-estares que vinha sentindo. Foi quando, o cirurgião Dr. Morais a operou e descobriu que ela estava com um câncer o qual ia do abdome ao ovário, chamado de Linfoma de Burkitt, ou “tumor de ovário”, como é conhecido.

“Foi uma época muito difícil, tive que sair do colégio por um ano e depois fazer supletivo para não atrasar o ensino médio”, explica Fátima Virgínia.

Todo o tratamento durou cerca de oito meses e desde então, ela participa do Programa de Assistência de Pacientes Curados (PAC) que avalia pacientes com mais de cinco anos fora de tratamento, onde Dra. Vera Morais a acompanha anualmente, no ponto de vista global (avaliação não só no local onde o câncer estava alojado e sim, uma avaliação geral).

Uma fase difícil e dolorosa, onde Fátima passou por varias provações. E uma das que mais machucou foi quando a maioria dos seus amigos se afastaram por medo que o câncer fosse uma doença contagiosa. Com medo da rejeição, ela conseguiu encontrar a força necessária para continuar lutando no apoio dos médicos do CEONHPE e voluntários do GAC-PE, que a olhavam com carinho e dedicação, ajudando sempre no que fosse preciso.

“Depois que me curei, meus pais ficaram apreensivos, não permitindo que eu saísse para todo tipo de lugar, com medo que eu passasse mal, com isso, até hoje, criei o hábito de não frequentar lugares com muita gente, preferindo sempre ambientes mais calmos”, contou Fátima.

Após 11 anos fora de tratamento, Fátima conseguiu superar as dificuldades. Há cinco anos ela faz parte do quadro de funcionários do GAC-PE, graças a sua força de vontade, primeiramente, e participação no Projeto Vencer, projeto desenvolvido pela instituição com o objetivo de promover a re-inserção do adolescente na sociedade, capacitando e dando-lhes orientação profissional, visando inseri-los no mercado de trabalho.

Notícias Anteriores